Info! Please note that this translation has been provided at best effort, for your convenience. The English page remains the official version.

Onde está meu próximo salto? O caso das ilhas do Oceano Índico

A Internet é fundamental para nossa sociedade, pois fornece serviços importantes que vão desde serviços de proteção e segurança a entretenimento. A Internet não foi projetada originalmente para transportar dados de aplicativos sem restrição de tempo e interações de usuário ilimitadas, já que o desempenho da Internet é geralmente limitado, inter alia, por fatores físicos como distância, meio de transmissão e congestionamento de link. No entanto, a maioria dos aplicativos usados ​​na Internet hoje é sensível a atrasos (por exemplo, streaming ao vivo ou jogos online). Ter entrega de conteúdo oportuna é, portanto, crítico. No entanto, conforme mostrado pela medição realizada a partir de nosso estudo, todos os países ou regiões não são iguais do ponto de vista de desempenho e acesso à Internet.

Sabe-se que a Área do Oceano Índico (IOA), incluindo Madagascar (MG), Maurício (MU), Ilha da Reunião (RE), Seychelles (SC) e Mayotte (YT), sofre de uma topologia de Internet mal interligada. É muito provável que o desempenho da rede entre as ilhas exiba baixo desempenho e características de alto atraso, embora as ilhas estejam fisicamente conectadas umas às outras, não há links lógicos diretos entre elas. Muitas conexões seguiriam, portanto, intercontinental rotas tortuosas antes de chegar às ilhas vizinhas e, no pior dos cenários, a outras redes no mesmo país. Para melhorar a interconectividade na região de IOA, grandes investimentos em projetos inter-ilhas, como a Comissão do Oceano Índico METISS (Encontrando-se com o Sistema Submarino Indianoceânico), o África-1 e às IOX cabos submarinos. No entanto, a topologia física aprimorada sem o peering adequado e a troca de tráfego entre as operadoras de rede na região não melhoraria necessariamente a situação, conforme mostrado em dois de nossos estudos recentes sobre Conectividade e desempenho com a Internet da Ilha da Reunião e sobre o impacto de longos atrasos no desempenho do TCP. Ressaltamos por que é importante quebrar o silo da Internet nesta região para melhorar o acesso à Internet. Eles realizaram medições na conectividade de saída das ilhas do Oceano Índico com o resto do mundo.

O mapa a seguir mostra que cada Ilha está conectada à Internet com um ou mais cabos submarinos.

topologia de rede Figura SEQ Ilustração \ * ARABIC 1: Cabo submarino das Ilhas do Oceano Índico

Estudo de medição

Usando um Raspberry Pi-, Paris-Traceroute e às rTraceroute, analisamos 4,480,000 vestígios entre IOA e destinos espalhados pelo mundo. A seleção do destino foi baseada em uma geração aleatória de endereços IP. Este conjunto foi testado pelo protocolo ICMP e geolocalização por API RIPE NCC.

A primeira etapa antes de qualquer análise era limpar o conjunto de dados. Removemos os rastros que atenderam a um dos seguintes critérios:

  • O destino não foi alcançado;
  • A 3 estrelas seguintes estão presentes no final do traço;
  • A presença de marcas '! N' (Network Unreachable) ou '! H' (Host Unreachable) devido ao Paris-Traceroute;
  • Algum rastreio corrompido (teste de exceção, rastreios vazios, ...);
  • Presença de loops (255 saltos alcançados);
  • A presença de IP cujos países não estão presentes no banco de dados RIPE NCC. O endereço IP 100.41.0.15 é um exemplo.

Após a filtragem de dados, obtivemos 1,053,894 traços de traceroute limpos.

Resultados

A Figura 2 traçar o número do ponto de saída para cada ilha IOA. Contamos o primeiro salto fora de cada Ilha. 

ilustração de seo

Figura SEQ Illustration \ * ARABIC 2: Número de links de saída da Internet de cada país do IOA.

Esta figura mostra que cada ilha tem pelo menos 20 pontos de saída (exceto Mayotte, que tem apenas um ponto de saída). Esta figura parece indicar alguma diversidade de caminhos para o tráfego de Internet de cada Ilha. No Tabela I, são fornecidos os detalhes do ponto de saída de cada país.

Madagascar Maurício Reunion Island Seychelles Mayotte
Outros 1,82%
US 4,39%
FR 10%
GB 83,79%
Outros 1,61%
FR 1,17%
KE 1,22%
MEUS 13,77%
TI 32,23%
EU 50,00%
Outros 0,69%
US 4,81%
GB 39,09%
FR 55,41%
Outros 1,19%
UM 4,41%
GB 94,40%
FR 100%

Tabela 1: Tabela de ponto de saída do IOA

Outros incluíram todos os países cuja porcentagem é inferior a 1%. Esta tabela confirma a diversidade dos pontos de saída. Mostra também que, para a maioria das ilhas do IOA, mais de 90% do tráfego sai por três países principais. tabela 1 mostra algum comportamento assimétrico nas políticas de roteamento e peering. Por exemplo, Maurício (MU) aparece no ponto de saída de Seychelles (SC), mas Seychelles não aparece em Maurício.

Conclusão

O estudo da rota e do roteamento é uma tarefa muito importante em regiões onde o acesso à Internet não é muito bem distribuído, como é o caso das ilhas do Oceano Índico. O principal resultado indica que a maioria das ilhas está conectada ao mundo, mas com um peering e malha regionais pobres. Parece que o IXP e o peering regional não estão realmente otimizados / bem configurados ou realmente inexistentes.

Sobre o autor

Réhan Noordally, é estudante de doutorado na Reunion Island University e atualmente trabalha com medição da Internet e desempenho do TCP para a Ilha da Reunião e a área do Oceano Índico.

Imprimir amigável, PDF e e-mail
Última modificação em -
Data e hora nas Maurícias -