Info! Please note that this translation has been provided at best effort, for your convenience. The English page remains the official version.

Sobre Nós

  1. Qual a origem do litígio entre AFRINIC e Cloud Innovation?
  2. O que significa ser um bom Registro (administrador) de recursos IP? 
  3. Como o AFRINIC valida os membros e aloca recursos IP?
  4. Qual é o procedimento para mudança de uso de recursos IP?
  5. Eddy Kayihura foi suspenso como CEO da AFRINIC?
  6. Houve tentativas de capturar a organização comprando votos para os assentos do conselho?

 


 

1) Qual a origem do litígio entre AFRINIC e Cloud Innovation?

Simplificando, e para que todos entendam a razão por trás da situação atual, vamos nos colocar no lugar de um gestor comunitário de terras. Um membro da comunidade, Cloud Innovation, solicita ao administrador do terreno um terreno substancial para construir um hotel para o mercado africano. O gestor da terra, AFRINIC, concorda com tal alocação nestes termos precisos. Algum tempo depois, o gerente descobre que o sócio construiu um shopping center no terreno. Como estamos no mundo imaterial do digital, apenas uma ínfima parcela da terra é usada na África, desconsiderando o acordo original e as licenças atribuídas a ele, que deveriam autorizar a construção e operação de um hotel na África. 

O engano é, portanto, obviamente deliberado. Em junho de 2020, a AFRINIC, de acordo com as disposições que regem a alocação de endereços IP, chamou a atenção da Cloud Innovation para esta violação do acordo e pediu a este Membro do recurso que a explicasse e corrigisse. Em março de 2021, visto que as violações identificadas não foram corrigidas, a AFRINIC não teve escolha a não ser iniciar os procedimentos estipulados pelo Contrato de Serviço de Registro (RSA) que rege o relacionamento com qualquer Membro do recurso. Como resultado, a Cloud Innovation iniciou um processo legal contra a AFRINIC em março de 2021. O Tribunal rejeitou o primeiro pedido da Cloud Innovation em julho de 2021, após o qual a AFRINIC rescindiu a associação de recursos da Cloud Innovation enquanto ainda avisava seus usuários com 90 dias de antecedência por motivos humanitários, uma vez que a problema surgiu durante a época de pandemia.

 

Visão geral dos litígios em andamento entre AFRINIC e Cloud Innovation

Até hoje, a Cloud Innovation Ltd entrou com mais de 25 processos contra a AFRINIC perante o Supremo Tribunal das Maurícias e 2 processos perante o Supremo Tribunal das Seychelles. Outros casos também foram iniciados por empresas associadas à Cloud Innovation, incluindo Larus Cloud Service Ltd, Africa on Cloud Ltd e Crystal Web (Pty) Ltd. Essas empresas também conseguiram obter ordens provisórias contra a AFRINIC, o que efetivamente impediu seu Conselho de Administração de operar. 

A AFRINIC alega que essas ações têm, na origem, a decisão de seu conselho de administração de cancelar o registro dos endereços IP atribuídos à Cloud Innovation por esta última violar seu RSA. Em essência, o AFRINIC afirma que, na ausência de uma política de IP expressa que permita o uso fora da região ou o aluguel de seus endereços IP alocados consistentes com sua Estrutura de Desenvolvimento de Políticas, todos os endereços IP atualmente alocados devem ser usados ​​dentro da África, que é o território do AFRINIC. região de serviço. Isso é negado pela Cloud Innovation e, portanto, suas inúmeras ações judiciais para impedir que a AFRINIC execute efetivamente os termos de seu RSA. 

A AFRINIC escreveu para a Cloud Innovation informando que estava violando o RSA, seu Manual de Política Consolidada e a seção 6 do Estatuto da AFRINIC. 

 

É importante observar as seguintes datas:

  • 23 de Junho de 2020: AFRINIC escreveu para a Cloud Innovation identificando suas violações do RSA.
  • 13 de Julho de 2020 : Cloud Innovation respondeu à carta da AFRINIC datada de 23 de junho de 2020.
  • 14 de Julho de 2020 : A AFRINIC acusou o recebimento do e-mail da Cloud Innovation e afirmou que fornecerá feedback sobre a revisão dos documentos enviados a ela.
  • 31 de Dezembro de 2020: A AFRINIC informou a Cloud Innovation que qualquer renovação de seu RSA para o ano de 2021 estaria sujeita e sem prejuízo da revisão em andamento realizada pela AFRINIC. 
  • 10 Março de 2021: A AFRINIC enviou uma carta à Cloud Innovation estabelecendo suas violações do RSA e concedeu à Cloud Innovation 30 dias para remediar suas violações ou mostrar o motivo pelo qual a AFRINIC não deve encerrar o RSA.
  • 24 Março de 2021: A Cloud Innovation buscou uma medida cautelar contra a AFRINIC e uma ordem provisória foi concedida em 25 de março de 2021.
  • 07 de Julho de 2021 : A referida Medida Provisória foi anulada após objeções preliminares levantadas pela AFRINIC. 
  • 08 de Julho de 2021 : Considerando a falha da Cloud Innovation em sanar suas violações ou fornecer uma explicação dentro do prazo contratual de 30 dias, bem como à luz do julgamento de 07 de julho de 2021, o conselho de administração da AFRINIC rescindiu por unanimidade o RSA da Cloud Innovation, mas ao mesmo tempo e excepcionalmente permitido este último um período de carência de 90 dias antes de cancelar o registro dos endereços IP alocados.
  • 13 de Julho de 2021 : A AFRINIC recebeu uma Notificação de Apelação contra a sentença de 07 de julho de 2021, bem como outra Medida Provisória impedindo a rescisão do RSA da Cloud Innovation. A AFRINIC não fez nada, exceto buscar aconselhamento jurídico e manteve o status quo até que o caso fosse chamado ao juiz em 15 de julho de 2021.
  • 15 de Julho de 2021 : Após esclarecimentos obtidos pelo Juiz e com base em declaração do representante legal da Cloud Innovation para audiência antecipada do referido recurso, a AFRINIC se comprometeu a restabelecer a adesão ao recurso Cloud Innovation até a decisão do referido recurso.
    Relevante acrescentar que o recurso estava inicialmente agendado para ser ouvido a 11 de novembro de 2021 mas posteriormente, mediante ações tomadas pela Cloud Innovation, o mesmo foi reagendado para 27 de janeiro de 2022.
  • 23 de Julho de 2021 : A Cloud Innovation solicitou e obteve uma Autorização Provisória para Anexar Ordem, comumente conhecida como Ordem de Congelamento, para fins de congelamento de todos os valores até USD 50 milhões detidos, separadamente e em conjunto, pela SBM (Mauritius) Ltd e Mauritius Commercial Banco Ltda.
  • 03 Setembro 2021: Cloud Innovation solicitou uma Ordem que a autoriza a prosseguir com o “saisie conservatoire” de todos os 6.9 milhões IPv4 endereços não utilizados atualmente mantidos pela AFRINIC. Esse pedido foi retirado em 07 de setembro de 2021.
  • 15 de outubro de 2021: O Juiz declarou nula e sem efeito a Autorização Provisória para Anexar Ordem (ou seja, Ordem de Congelamento).
  • 26 de outubro de 2021: Cloud Innovation solicitou licença para colocar provisoriamente nas mãos dos garnishees (ou seja, bancos) todos os fundos detidos pelos garnishees em nome da AFRINIC até a quantia de USD 10 milhões. Cloud Innovation retirou sua aplicação em 06 de dezembro de 2021
  • 01 de Dezembro de 2021: A AFRINIC emitiu uma carta à Cloud Innovation expondo a má fé desta última por não permitir que o recurso fosse ouvido em 11 de novembro de 2021, bem como informando à Cloud Innovation que sua adesão ao recurso terminaria em 31 de dezembro de 2021.
  • 03 de Dezembro de 2021: Cloud Innovation solicitou e obteve uma Ordem Provisória contra a AFRINIC para não executar o conteúdo de sua carta datada de 01 de dezembro de 2021. Essa Ordem Provisória ainda está em vigor contra a AFRINIC.
  • 14 de fevereiro de 2022: O recurso da Cloud Innovation contra a sentença de 07 de julho de 2021 foi julgado improcedente com custas. 

Por uma questão de completude, informações sobre outros casos iniciados pela Cloud Innovation contra AFRINIC estão disponíveis em: https://afrinic.net/court-cases

 

2) O que significa ser um bom Registro (administrador) de recursos IP?

A Internet no final dos anos 1980 começou como um projeto experimental que interligava um pequeno número de instituições de pesquisa; foi puramente por falta de confiança, com foco principal no bem que a Internet faria à vida de muitos. Desde o início, todo dispositivo conectado diretamente à Internet precisava de um endereço IP (Internet Protocol) – um número único que identifica o dispositivo e permite que ele seja localizado na rede. Para que o sistema funcione, cada dispositivo conectado deve ter um endereço único, por isso era importante que a alocação dos endereços IP fosse cuidadosamente registrada para evitar conflitos. Em 1992, a Internet Engineering Task Force (IETF) recomendou que os recursos de números da Internet fossem gerenciados por organizações subsidiárias em nível regional. Como resultado, os Registros Regionais da Internet (RIRs) foram estabelecidos para assumir essa atribuição regional e função de gerenciamento em cooperação com a IANA. Hoje, são cinco RIRs – APNIC, ARIN, RIPE NCC, LACNIC e AFRINIC. O Centro Africano de Informação da Rede (AFRINIC) foi estabelecido como um Registo Regional da Internet pelo Resolução da ICANN datado de 8 de abril de 2005 para servir a Região África.

Os negócios da AFRINIC são orientados por seus estatutos, conforme estabelecido na cláusula 3.4, entre outros, como segue: fornecer o serviço de alocação e registro de recursos da Internet para fins de permitir comunicações através de protocolos de rede de sistema aberto e auxiliar no desenvolvimento e crescimento de a Internet na região africana.

As diretrizes de uso de endereços IP são desenvolvidas por meio de um processo ascendente, onde essas diretrizes são propostas, debatidas e adotadas após discussões públicas entre a comunidade africana da Internet, e é expressamente declarado em nosso RSA que os endereços IP delegados aos membros não são propriedade de alguém. 

Assim como os outros quatro registros regionais da Internet, o AFRINIC possui disposições que determinam como os recursos IP emitidos para seus membros de recursos devem ser usados. AFRINIC é o registo na Internet para endereços atribuídos a África - com IPv4 sendo um recurso finito e actualmente escasso, sendo a quota atribuída a África inferior a 6% dos recursos globais. A questão de proteger e distribuir este recurso em África com integridade é, portanto, inegociável. Isso reforça ainda mais a missão da AFRINIC e por que devemos fazer todo o possível para garantir que as coisas sejam feitas com integridade dentro dos parâmetros estabelecidos. Este é o mandato de todos os registros da Internet no mundo.

A AFRINIC está mais determinada do que nunca a continuar a desempenhar um papel de liderança na transformação digital sustentável e no desenvolvimento socioeconómico de África. E pretendemos fazê-lo afirmando nossa integridade e nossa dedicação inabalável à comunidade africana.

A AFRINIC reafirma o seu compromisso de cumprir a sua missão crítica para a gestão eficiente dos endereços IP em África. 

 

3) Como o AFRINIC valida os membros e aloca recursos IP

Os membros são validados com base nos seguintes critérios de elegibilidade:

  • Legalmente constituída e prestando serviços na região AFRINIC.
  • Plano de IP detalhado para usar recursos de número de IP nos próximos oito meses para IPv4 e 12 meses para IPv6
  • Existência de infraestrutura de rede na região AFRINIC
  • Ter uma licença de operador de serviço válida no país de operação (se o serviço exigir uma licença nesse país)
  • Contrate um provedor de serviços upstream se você for o usuário final.

O potencial membro tem de apresentar a seguinte documentação exigida aos serviços de registo.

  • Comprovativo de constituição legal (Certificado de Registo Comercial, Certidão de Constituição, Diário do Governo, etc.).
  • Certificado de regularidade (certificado de registro fiscal recente, certificado de incumbência) ou
  • Comprovante de residência física (conta de água ou luz)
  • Cópias de identificação para contatos cadastrados

 

4) Qual é o procedimento para mudança de uso de recursos IP?

Qualquer mudança no procedimento para qualquer membro de recurso é coberta nas seguintes seções do Contrato de Serviços de Registro, que é o contrato assinado entre AFRINIC e seu membro de recurso. 

A Seção 2 (d) do Contrato de Serviços de Registro declara “onde as informações originais enviadas foram objeto de qualquer alteração; o mesmo deve ser notificado prontamente, com precisão e totalmente à AFRINIC por um contato autorizado e válido''


A Seção 2 (e) do Contrato de Serviços de Registro afirma que "resposta pronta, precisa e completa a qualquer consulta feita pela AFRINIC durante a solicitação ou dentro da vigência do contrato".

 

5) Eddy Kayihura foi suspenso como CEO da AFRINIC?

Em 30/06/2022, na sequência de um pedido ex parte feito pela Crystal Web (Pty) Ltd, o Honorável Juiz PDR Goordyal-Chittoo emitiu um Ordem Provisória na natureza de uma liminar que restringe e impede:

  1. AFRINIC e Sr. Kayihura, bem como seus representantes e/ou agentes e/ou prepostos de agir na resolução do conselho com número de referência 202110.655; e
  2. O Sr. Kayihura de atuar como diretor ex officio da AFRINIC até que o conselho da AFRINIC seja reconstituído por eleição.

Uma posição ex officio refere-se simplesmente ao processo pelo qual um diretor é nomeado automaticamente por ocupar outro cargo. Por exemplo, o Chief Executive Officer (CEO) de uma organização pode ser um diretor ex officio de uma organização.

O Sr. Kayihura é o CEO da AFRINIC, contrariando as visões enganosas de algumas publicações da mídia.

 

 

6) Houve tentativas de capturar a organização comprando votos para as cadeiras do conselho?

Há uma tentativa de algumas entidades de capturar a diretoria da AFRINIC por meios ilegítimos, como a compra de votos para as eleições dos membros da diretoria. 

A este respeito, alguns dos membros de recursos do AFRINIC nos informaram que um chamado investidor os abordou com um contrato para assinar. Ao assinar o contrato proposto entre o "investidor" e o AFRINIC Resource Member, o membro do recurso deve compartilhar suas credenciais da Plataforma de Membros em troca de uma quantia de USD.3000.

Fornecer acesso a essas informações expõe as informações dos membros que pertencem ao gerenciamento de seus recursos de IP (blocos de IP e ASNs), correndo-se assim o risco de ter seus recursos alocados adulterados e eventualmente furtados. Queremos chamar a atenção para o fato de que o acesso ao portal do membro também dá a esse intruso o direito de acessar a plataforma de votação eletrônica AFRINIC usando as credenciais do membro do recurso, permitindo que ele vote em nome do membro do recurso.

 

 

 

Imprimir amigável, PDF e e-mail
Parceiros AFRINIC

MoU AFRINICO Centro Africano de Informação da Rede (AFRINIC) é um dos cinco Registros Regionais da Internet no mundo, estabelecido para garantir uma distribuição e gestão justas dos recursos de números da Internet na África. Como os outros quatro Registros Regionais da Internet, o AFRINIC é membro da Number Resources Organization e opera como uma organização não governamental e sem fins lucrativos.

 

Desde a sua criação em 2005, a AFRINIC tem colaborado com uma gama diversificada de organizações para juntar conhecimentos para catalisar o desenvolvimento do uso da Internet e novas tecnologias em África. A AFRINIC assinou um Memorando de Entendimento com algumas dessas organizações para entrar em cooperação ou parceria.

 

No entanto, em outros casos, a AFRINIC se juntou à associação de algumas organizações nas quais contribui com assuntos relevantes para a experiência da AFRINIC e os benefícios da comunidade da Internet da AFRINIC.

 

Entre outros, a AFRINIC assinou acordos de cooperação ou adesão a:

 

Parceiros e apoiadores da AFRINIC  

macra    

Autoridade Reguladora de Comunicações do Malawi (MACRA)

https://macra.mw

  pch

 

 

Câmara de compensação de pacotes

https://www.pch.net

  cárie

 

 

Centro Africano de Pesquisa em Inteligência Artificielle (CARIA)

 

cidade única

 

 

Universidade de Cape Town

https://www.uct.ac.za

  isoc

 

 

Sociedade da Internet (África)

https://www.internetsociety.org/regions/africa/

  menptd  

Ministère de l'Economie Numérique, des Postes et de Transformation Digital du Burkina Faso (MENPTD)

https://www.mdenp.gov.bf

  atu

 

 

União Africana de Telecomunicações (ATU)

https://www.atuuat.africa

logotipo cto

 

 

Organização das Telecomunicações da Commonwealth (CTO)

https://www.cto.int/ 

itu logotipo oficial azul rgb 300px  

União Internacional das Telecomunicações (UIT)

https://www.itu.int

  objetivo

 

 

Destino (Facebook)

https://about.facebook.com 

  Menc Benin

 

 

Ministério da Numeração e da digitalização da República do Benin

https://numerique.gouv.bj

  sata

 

 

Associação de Telecomunicações da África Austral

 

  arptc

 

 

L'Autorité de regularisation de la poste et des télécommunications du Congo

https://arptc.gouv.cd/

África inteligente

 

Secretariado da África Inteligente

https://smartafrica.org

INX-ZA  

INX-ZA

https://www.inx.net.za

  asteróide ix2  

Asteróide

https://www.asteroidhq.com/about

  depois  

Organização de Domínios de Primeiro Nível da África (AFTLD)

https://www.aftld.org

  arpce

 

 

L'ARPCE, Agence de Régulation des Postes et des Communications Électroniques

https://www.arpce.cg/about

gix

 

Gana Internet eXchange (GIX)

http://www.gixa.org.gh

  afralo

 

 

Organização Regional Africana At-Large

https://atlarge.icann.org/ralos/afralo

 

 

 

 

 

Imprimir amigável, PDF e e-mail